Caema e Sema fazem vista grossa para desmatamento criminoso na Reserva do Batatã, em plena Avenida dos Franceses

0
Comentários

Difícil de acreditar  que o presidente da Caema, Davi Teles, e o secretário de meio ambiente, Marcelo Coelho, não tenham conhecimento do que está acontecendo dentro da Reserva Ambiental do Batatã. É bem provável que nada tenha chegado  ao conhecimento do promotor de meio ambiente, Fernando Barreto.

Uma área de cerca de 3 hectares(referente a 3 campos de futebol) foi desmatada. Segundos alguns moradores da redondeza seria para instalação de um posto de combustível.

Avenida dos Franceses

O que chama mais atenção é que o crime ambiental fica perto da Rodoviária de São Luís, em plena Avenida dos Franceses.

Captação de águas de nascentes ameaçado no Batatã

A Reserva do Batatã faz parte do Parque Estadual do Bacanga. É uma área de preservação permanente destinada a captação, tratamento e distribuição de águas pluviais e de nascentes para abastecimento da capital.

Reservatório de água impactado e comprometido

Desmatamento no entorno da reserva  compromete ainda mais as condições da represa, já que a retirada da mata ciliar causa o assoreamento das nascentes.

Em tempo

O Governo do Estado, através da Secretaria de Meio Ambiente precisa ter um plano de manejo e conservação da Reserva do Batatã. Em quase todo o percurso da reserva que se estende pela Avenida dos Franceses não existe nada que proteja de invasores que usam  para deposito de lixo.

Nascentes ameaçadas

 

 

 

 

 

Seja o primeiro a comentar em "Caema e Sema fazem vista grossa para desmatamento criminoso na Reserva do Batatã, em plena Avenida dos Franceses"

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.


*