CNA entrega Plano Agrícola e Pecuário a ministro

0
Comentários

Brasília – A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) entregou as suas propostas para o Plano Agrícola e Pecuário (PAP 2017/2018) ao ministro da Agricultura, Blairo Maggi, na terça (28), em Brasília.

 

As prioridades solicitadas pela CNA são aumento de 13,5% nos recursos disponíveis para custeio – R$ 170 bilhões em comparação aos R$ 149,5 bilhões destinados à safra atual – e redução das taxas de juros.

 

“A tendência é de baixa na inflação, o que é bom para o país. Agora, se nós não atentarmos também para melhorar os índices de juros aplicados ao setor agropecuário, vamos ter taxas de juros reais extremamente altas, o que é inviável para nós”, disse o vice-presidente diretor da CNA e presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (FAEG), José Mário Schreiner, durante a apresentação ao ministro.

 

O documento de 57 páginas foi elaborado após reuniões com o setor produtivo em seis estados do Brasil (Sergipe, Bahia, Mato Grosso do Sul, Paraná, São Paulo e Rondônia) e validado pelas instituições que integram o Conselho do Agro.

 

A reunião também contou com a presença do presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará (FAEC), Flávio Saboya Neto, pelo superintendente Técnico da CNA, Bruno Lucchi, e pela assessora técnica da Comissão Nacional de Política Agrícola da CNA, Fernanda Schwantes.

 

“Estamos fazendo o Plano Safra agora e vamos avaliar essas propostas, com toda certeza. Poderá contribuir muito e nos balizar nesse processo. Foram várias audiências, por vários estados, buscando informação e a opinião dos agricultores. Aqui, na casa da Agricultura, temos o dever de ouvi-las”, afirmou o ministro Blairo Maggi.

 

Programas – Outra demanda destacada na proposta da CNA é a priorização de três programas de investimento: o Programa para Construção e Ampliação de Armazéns (PCA), o Programa para Redução de Gases de Efeito Estufa na Agropecuária (Programa ABC) e o Programa de Incentivo à Irrigação e à Armazenagem (Moderinfra).

A ideia é manter os recursos disponibilizados ao PCA da safra anterior, R$ 1,4 bilhão, mas com redução das taxas de juros para 4,5%. Na safra 2016/2017 os juros cobrados foram de 8,5%, o que inibiu a tomada de recursos pelo produtor.

“Temos um problema logístico e de infraestrutura no Brasil que, no nosso entendimento, não vai ser resolvido num curto e médio prazo. Todas as regiões do Brasil foram unânimes em apontar o PCA como um programa extremamente importante, mas ele precisa ter algumas taxas de juros diferenciadas, exatamente pelo retorno lento na questão do armazenamento”, afirmou José Mário.

 

O vice-presidente da CNA avalia que o ministro foi “muito receptivo” às propostas apresentadas. Ele pondera que o encaminhamento depende de uma negociação com a área econômica do governo federal, mas que acredita no avanço das solicitações, principalmente em função do que o setor agropecuário tem representado para o Brasil.

 

“Uma safra de 224 milhões de toneladas significa que estamos no caminho certo, mas precisamos saber do apoio do governo para que esse setor continue dando as respostas que todo Brasil espera e precisa”, disse.

Seja o primeiro a comentar em "CNA entrega Plano Agrícola e Pecuário a ministro"

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.


*