Exposição sobre abelhas nativas alerta para importância da preservação das espécies

0
Comentários

SÃO LUÍS – Em comemoração à Semana do Meio Ambiente, que teve início na segunda, 5, o Projeto Abelha Nativa, coordenado pelo professor Murilo Drumont, do Departamento de Biologia da Universidade Federal do Maranhão, está com uma exposição até a próxima sexta-feira, 9, no hall de entrada do Centro de Educação Básica (CEB Velho).

O projeto trabalha na preservação das espécies nativas de abelhas. Atualmente, são três frentes de ação: auxílio do manejo adequado dessas espécies nos municípios de Belágua, na reserva de Urbano Santos e no Povoado de Moura, na região de Anapurus (Meliponicultura); na propagação das metodologias e tecnologias do projeto através de cursos à distância; e na campanha pela regulamentação da apicultura e da meliponicultura no Maranhão e no Brasil.

O Projeto Abelha Nativa existe desde 2001 e já ganhou vários prêmios ao longo de sua trajetória, como o Prêmio Ford de Conservação; o Prêmio COMAR de Conservação Ambiental e a Certificação de Tecnologia Social concedido pelo Banco do Brasil, pela criação do Programa Nacional Abelhas Nativas (PNAN), que teve como objetivo disseminar práticas do projeto para todo o país.

Segundo o coordenador, o Maranhão tem grande potencial na produção de mel e derivados, hoje ameaçado pela exploração inadequada. “Pessoas dos centros gastronômicos de São Paulo, por exemplo, têm demandado este tipo de produto, o que tem lhe valorizado bastante. Nós temos um potencial muito grande que não estamos aproveitando, está se perdendo”, declarou.

Cyntia Pacheco, aluna do mestrado em Biodiversidade e Conservação, da UFMA, e colaboradora do projeto, explica as formas de manejo e a importância do projeto. “Nosso trabalho é tanto na questão política e econômica, quanto na preservação, apresentando à comunidade a diferença entre as espécies e a importância de conservá-las em prol do equilíbrio ambiental”.

Na exposição, o visitante pode conhecer a história das cinco espécies com maior incidência no estado e suas peculiaridades (Tiuba, Moça Branca, Moça Preta, Tubi e Uruçu), além de produtos feitos a partir de matéria-prima extraída da coméia. A exposição está à disposição de escolas. As instituições interessadas devem entrar em contato pelo email contato@pnan.com.br ou pelo telefone 9200-7615.

Na sexta-feira, 9, haverá uma vídeo-palestra “Um futuro seguro para nossas abelhas”, ministrada pelo professor Lúcio de Oliveira Campos da Universidade Federal de Viçosa, Minas Gerais.

Saiba Mais

Recentemente as abelhas entraram para a lista de espécies em extinção do US Fish and Wildlife Service (FWS). O eventual desaparecimento das abelhas não deixaria o mundo apenas sem mel: dois terços do que comemos dependem do trabalho delas como polinizadoras. A questão é tão preocupante que os cientistas já pensam em criar abelhas-robôs.

Das 25 mil espécies de abelha, sete entraram para a lista: Hylaeus anthracinus, Hylaeus longiceps, Hylaeus assimulans, Hylaeus facilis, Hylaeus hilaris, Hylaeus kuakea, e Hylaeus mana – abelhas de “cara amarela”, parecidas com as abelhas africanizadas do Brasil. Uma das principais hipóteses é inclusão de espécies de plantas e animais invasores, que desequilibraram a fauna local.

Seja o primeiro a comentar em "Exposição sobre abelhas nativas alerta para importância da preservação das espécies"

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.


*