Wellington solicita que prefeitos de Ribamar e Paço do Lumiar anulem contrato com a Odebrecht

0
Comentários

O deputado estadual Wellington do Curso (PP) solicitou, ainda, durante as atividades parlamentares no final de 2016 na Assembleia Legislativa, que os prefeitos eleitos de Paço do Lumiar, Domingos Dutra (PC do B), e de São José de Ribamar, Luís Fernando (PSDB), anulem os contratos firmados com a empresa Odebrecht Ambiental, responsável pelo fornecimento e tratamento da água e esgoto dos municípios.

A solicitação do deputado Wellington é em virtude da péssima prestação de serviços e, ainda, do aumento exorbitante nas tarifas cobradas pela empresa e das inúmeras reclamações da população dos dois municípios.

“Atendendo às inúmeras reivindicações, desde 2015, nós realizamos duas audiências públicas com o objetivo de ouvir a população e, então, apresentar ações que atenuem a maldade e o desrespeito com a população, caracterizada no aumento exorbitante nas tarifas e na prestação de serviços da Odebrecht. A primeira audiência aconteceu no dia 15 de setembro de 2015, na Escola Erasmo Dias, em Paço do Lumiar, e contou com a presença de mais de 800 pessoas, inclusive com a participação do prefeito eleito, Domingos Dutra (PC do B). Já no dia 23 de setembro, do mesmo ano, discutimos a mesma problemática, só que agora na Unidade de Ensino Cidade de São José de Ribamar-CAIC, no município de São José de Ribamar. Ouvimos a população dos dois municípios. Ainda assim, infelizmente, os antigos gestores não se posicionaram quanto à essa solicitação. Esperamos agora que os novos prefeitos atuem em defesa do povo e, então, analisem a possibilidade de rescindir esse contrato.”, afirmou Wellington.

As solicitações do deputado Wellington foram formalizadas na Assembleia Legislativa do Maranhão e devem ser encaminhadas, de forma oficial, por meio de indicações, aos novos prefeitos de São José de Ribamar e Paço do Lumiar.

Seja o primeiro a comentar em "Wellington solicita que prefeitos de Ribamar e Paço do Lumiar anulem contrato com a Odebrecht"

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.


*