“Chapão do Fim do Mundo”  –  Decadência e dificuldade de renovação  do Grupo Sarney

“Chapão do Fim do Mundo”  –  Decadência e dificuldade de renovação  do Grupo Sarney

Opinião

Nem mesmo o mais  otimista analista da cena política poderia imaginar que o Grupo Sarney tivesse a coragem e ousadia de lançar em 2018  uma chapa majoritária que representasse sua própria  essência. O velho Sarney nunca colocou dois herdeiros de sangue numa mesma chapa majoritária, nem mesmo no auge do  poder no Maranhão. E não foi por falta de vontade. Sarney Filho sempre cobrava mais espaço, mas  se sentia   como o filho bastardo.

“Chapão do Fim do Mundo”, foi uma alusão à “Delação do Fim do Mundo”, criada pela  revista “Veja”. Situação limite onde as acusações feitas pelos executivos da Odebrecht atingiria ministros do governo, deputados, senadores e governadores.

Com Roseana Sarney(MDB), governadora, o irmão Sarney Filho(PV)  e o Lobão senadores mostrou a faceta nua crua de uma dinastia decadente com  dificuldade  de renovação.

Dois fatores contribuíram para que isso acontecesse. O primeiro, que provocou essa atitude extrema, foi a falta de unidade que limitou  o surgimento de novas lideranças. O segundo foi mesmo o desgaste provocado pela longevidade no poder.

 

 

Martin Varão

Martin Varão

Martin Varão é técnico agrícola e eletrotécnica pelo IFMA. Graduado em jornalismo pela Universidade Federal do Maranhão. Começou a trabalhar profissionalmente em 1992 na Tv São Luís/RedeTv. Depois passou por emissoras como Tv Difusora/SBT, onde exerceu as funções de repórter, editor-chefe e apresentador do Maranhão Rural por 10 anos). Na Tv Cidade/Record foi editor-chefe, repórter e apresentador do Programa Maranhão Empreendedor. Mantém o blog desde novembro de 2012. Contato: zap (98) 98470 0727

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *