São Luís – Patrimônio da Humanidade vai ganhar uma entrada digna, simulando uma fachada de casarão colonial português

São Luís – Patrimônio da Humanidade vai ganhar uma entrada digna,  simulando uma fachada de casarão colonial português

A partir de dezembro, quem chegar em São Luís pela BR-135 vai se deparar com um novo cartão postal da cidade.  O Governo do Maranhão, por meio da Secretaria de Estado da Cultura e Turismo (Sectur) está construindo um portal de entrada para a capital maranhense. A previsão é que ele seja entregue ainda este ano.

Simulando uma fachada de casarão colonial português Patrimônio da Humanidade, muito comum na paisagem do Centro Histórico de São Luís, o portal terá 45 metros de largura ficará localizado no km 0 ocupando as seis faixas da via, três no sentido BR-135 e três no sentido cidade. O investimento na obra é de R$ 833.430,28.

Uma cidade com o potencial turístico de São Luís merece um portal de entrada que reflita toda essa beleza. Optamos por, já na entrada da cidade, colocar um monumento que remeta ao nosso Centro Histórico Patrimônio da Humanidade, gerando curiosidade e encantamento para quem chega e deixando saudade em que sai da cidade”, pontuou o secretário de Estado da Cultura e Turismo, Diego Galdino.

Martin Varão

Martin Varão

Martin Varão é técnico agrícola e eletrotécnica pelo IFMA. Graduado em jornalismo pela Universidade Federal do Maranhão. Começou a trabalhar profissionalmente em 1992 na Tv São Luís/RedeTv. Depois passou por emissoras como Tv Difusora/SBT, onde exerceu as funções de repórter, editor-chefe e apresentador do Maranhão Rural por 10 anos). Na Tv Cidade/Record foi editor-chefe, repórter e apresentador do Programa Maranhão Empreendedor. Mantém o blog desde novembro de 2012. Contato: zap (98) 98470 0727

Um comentário em “São Luís – Patrimônio da Humanidade vai ganhar uma entrada digna, simulando uma fachada de casarão colonial português

  1. Sensacional essa mudança que acontecerá na entrada de São Luis. Com isso, mudará toda aquela sensação de cidade triste e esquecida pelo poder público.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *